Como engajar o paciente no tratamento

Tempo de leitura: 5 minutos

Dentro de um ambiente clínico, engajar o paciente e motivá-lo são estratégias fundamentais para criar melhores resultados dos problemas e buscar uma autonomia maior do paciente. Atualmente os profissionais de saúde precisam ser um meio entre a busca do paciente e sua saúde, principalmente aqueles que trabalham com dor e incapacidades físicas.

Com o mundo cada vez mais globalizado as informações através da internet podem ser um recurso que criam uma autonomia maior para o paciente tornando mais engajado e menos dependente, já se fala muito sobre Telemedicina e uso de tecnologia para auxiliar no tratamento e reduzir o custo para o paciente e uma melhor qualidade de atendimento, mas precisamos melhorar a comunicação e a qualidade nesse modelo de atendimento.

Em uma pesquisa de 2010, foi analisado quais foram as principais barreiras que impediam o paciente de aderir ao tratamento ou abandonar no meio do caminho em relação aos aspectos clínicos. Nesse artigo, embora tenha sido realizado com pacientes de fisioterapia, o tema deve ser visto, apreciado e estudado por todos os profissionais de saúde. As análises serão alinhadas, ponto a ponto, com a visão da saúde integrativa. Quais estratégias podem ser aplicadas para auxiliar os profissionais da saúde a gerar uma motivação e melhorar a qualidade do resultado e a satisfação do paciente.

Implicações clínicas

Dor

Uma das principais barreiras para aderência do paciente é conseguir tratar a dor e introduzir exercícios e um maior nível de atividade física. As estratégias iniciais são muito importantes e mesmo a utilização de recursos passivos, como técnicas manuais e recursos com agulhamento e eletroterapia. É preciso, no entanto, rapidamente criar estratégias mais ativas com utilização de exercícios para o paciente conseguir gerenciar e participar mais do processo terapêutico.

Esse fato passa por uma abordagem terapêutica que trabalhe a ansiedade e crenças do paciente para que ele busque uma maior autonomia na sua movimentação.

A introdução de um programa de exercícios para o paciente mostra um maior comprometimento e uma proatividade maior do paciente, o profissional da saúde precisa ser claro e eficaz na comunicação das suas instruções, gerando uma perspectiva para o paciente de autonomia da sua saúde, e de extrema importância avaliar qual exercício e o nível que o paciente se encontra para ser mais assertivo.

Plano de ação

O papel principal do profissional da saúde é a educação e informação do paciente, explicar as estratégias que serão empregadas em cada fase do tratamento implica em criar uma rotina de exercícios domiciliares, com o nível de cada paciente , criar um controle para o paciente gerar o hábito e para manter dentro da sua rotina diária os exercícios.

engajar o paciente

O plano de ação criado pelo profissional da saúde deve conter orientações de como deverá ser os movimentos e detalhes dos exercícios para engajar o paciente.

Uma das principais barreiras que impede o engajar do paciente aos tratamentos é a baixa da confiança de superar obstáculos e sair da sua Zona de conforto, o terapeuta deverá “empoderar” o paciente, empoderar consiste em estimular o paciente através de uma abordagem que ele acompanhe sua evolução.

Uma das formas de identificar o ponto principal para o paciente através de reavaliações periódicas como ele se encontrava e como está seu estado atual e criar um plano de ação em busca de metas e objetivos.

Estado Emocional

Aspectos como ansiedade, depressão e desamparo devem ser identificados pelo profissional. Os aspectos emocionais interferirão diretamente sobre os resultados almejados. A identificação do estado emocional do paciente e como ele se sente em relação a suas incapacidades e dores pode ser o ponto principal a ser trabalhado pelo profissional da saúde. Tal trabalho é de grande integração com outros profissionais como psicólogos e coaches.

Uma ação levada em consideração pelos paciente é a socialização através de grupos de exercícios, essa interação social trabalha diretamente sobre a motivação e o incentivo a práticas de exercícios,

O contato social seria uma saída interessante para o paciente interagir com outras pessoas  e ser estimulado a mudar seus hábitos em relação a exercícios principalmente em ambientes com um contato maior com a natureza.

Um aspecto interessante de engajar o paciente ao tratamento será como ele prioriza sua saúde, cabe ao profissional de saúde revelar ao paciente a importância de reservar tempo de qualidade para cuidados de saúde, sendo que um prejuízo futuro poderá ocorrer se naquele momento o paciente não disponibiliza tempo e dedicação ao seu tratamento, um aspecto interessante e fazer o paciente refletir qual o ganho de qualidade de vida e rendimento se a sua saúde estiver em pleno funcionamento.

Essa artigo reforça a importância de uma avaliação integrativa, considerar o paciente como um todo no campo físico, emocional e seu estilo de vida,  motivar e criar estratégias que possam ser implementadas para melhor engajar o paciente e comprometê-lo com o tratamento, o papel do profissional da saúde e promover a saúde do paciente em todas as áreas e trabalhar de forma integrada com diversos profissionais para ser mais assertivo na sua conduta.

O Conceito SIn é a maior e mais completa proposta de integração clínica na área da saúde. Conheça o nosso treinamento clicando aqui!

BAIXAR O ARTIGO FONTE DO ESTUDO

Deixe aqui o seu comentário
Deixe aqui o seu comentário